Google News - Top Stories

segunda-feira, 29 de junho de 2015

FIA Formula E 2014 / 2015 - Tudo o que você não viu na Tela da Globo (1/2)

"Bem, amigos da Rede Globo ..". Era assim que iniciava, na voz de Galvão Bueno, o meu programa predileto na TV, que, em geral, acontecia nas manhãs de Domingo (mas, as vezes, nas tardes do Domingo ou, até mesmo, em madrugadas de Sábado para Domingo), ao longo dos anos 80, e até meados dos anos 90.

Eu estou falando das transmissões das corridas de Fórmula 1 e, tenho certeza que, muitos dos amigos leitores com idade, hoje, entre 45 e 60 anos, compartilham das mesmas boas recordações que eu, além de, eu creio, um bom número de vocês talvez compartilhem também, do mesmo, trauma, desde aquela fatídica manhã que era para ser mais um Dia dos Trabalhadores de descanso e, de vitória,  na corrida de em Imola, Itália, em 1 de maio de 1994, e de ter desligado a TV cerca de uma hora após o acidente de Ayrton Senna (ou antes) com a certeza de que, dali para frente, nem você, nem o mundo, voltariam a ser exatamente os mesmos. 

Eu, por exemplo, nunca mais consegui me sentir motivado a assistir uma corrida de Fórmula 1 ao vivo, depois daquele dia. Para quem não perdia uma corrida sequer, como eu não perdia, daquela data em diante, eu creio de deva dar para contar nos dedos de uma única mão as vezes em que eu assisti, apenas parcialmente, a alguma delas, assim como eu também não consegui desenvolver pela Fórmula Indy (o que parecia uma boa opção, na época), o mesmo interesse apaixonado que eu tinha, antes, pela Fórmula 1. 

Ayrton Senna completou 31 anos na antevéspera da corrida do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 de 1991, mas não quis festa, pois, o seu maior presente seria a primeira vitória num GP do Brasil, ainda mais em Interlagos, uma pista que ele ajudou a redesenhar, e que até hoje ostenta uma curva com nome em sua homenagem.
Quem, porventura, poderia dar um testemunho desse meu trauma, também acabou ficando para trás na minha história, passando de situação de outrora minha esposa, para atual não-esposa (sim, isso mesmo, NÃO-esposa, pois, como hoje em dia, cada qual acredita somente naquilo que bem entende, eu, por minha vez, definitivamente não acredito em EX-esposa, por ele ser um verbete que carrega a conotação de laço, algo que enseja te prender, indefinidamente, a uma história que sequer existe mais).

Todavia, pelo andar da carruagem, parece que já vai longo, também, o tempo em que "vale o que está escrito", e, o que se escrevia era: "O que pinta de novo, pinta na tela da Globo". Será que isso ainda poderia ser considerado uma verdade (ao menos relativa verdade)?

Bem, desde que surgiu na FIA a mobilização na direção de concretizar a ideia de um Campeonato de Fórmula E (com o "E" dos Veículos Elétricos (VEs, aqui neste blog), com carros de corrida puramente elétricos, ou melhor especificando, bólidos elétricos movido a bateria), a única ocasião em que eu vi o pessoal da Globo falando de tal campeonato, foi ontem, em meio os comentários finais no encerramento da partida de futebol que ela transmitia ao vivo, entre Palmeiras e São Paulo (e os são-paulinos que me perdoem por eu trazer-lhes de volta, neste momento, uma recordação tão triste).

Por incrível que pareça, ali, o mesmo locutor Galvão Bueno gastou pouco menos de 15 segundos para fazer uma breve menção sobre o Campeonato da FIA Fórmula E, e sobre a sagração do piloto brasileiro Nelson Piquet Jr. como Primeiro Campeão Mundial dessa nova categoria do automobilismo esportivo. Digo nova, mas que, agora, já se encaminha para a sua segunda temporada de sucesso de público (com exceção do público brasileiro, que ainda não acordou para ela), e com boas e naturais mudanças de regulamento que virão, tendo tudo para acirrar as disputas, tornando pilotos e equipes, ainda mais competitivos.

Tirando estes 15 segundos de ontem, eu ainda não tenho nenhum outro registro de menção sobre a FIA Formula E, nem na própria Globo, e nem em nenhuma outra emissora de televisão nacional de canal aberto. Já, neste humilde blog, nós estamos falando disso desde a virada de 2013 para 2014, ou seja, esperamos a ideia amadurecer um pouco, mas, passamos a promover antes mesmo de se ter um calendário de corridas plenamente acertado, para essa primeira etapa do campeonato.

Alias, diga-se de passagem, calendário previamente e plenamente foi algo que faltou, e o mais chato de tudo, é que os grandes perdedores fomos nós mesmos, brasileiros, mais uma vez. Sim, pois, durante um bom tempo, antes do campeonato efetivamente começar (com a primeira corrida em Pequim, Chuna), a cidade do rio de Janeiro havia sido contemplada com a previsão de receber (mais uma vez plagiando o Galvão Bueno) "o circo da Fórmula E", coisa que, porém, ao final, não se concretizou e, o Brasil foi, simplesmente, apagado do mapa.

Foram um total de 4 artigos anteriores escritos neste blog, até aqui (este aqui está sendo o 5º), apenas para tratar especificamente sobre este assunto: FIA FORMULA E, e, caso você queira acompanhar estas postagens mais antigas, em ordem histórica cronológica, são elas:
Fora estes artigos principais, na pagina e no grupo de Facebook associados ao blog, postagens menores eram feitas, sistematicamente, ao longo da temporada, uma para prenunciar cada uma das corridas que foram realizadas, e mais duas ou três para comentar sobre resultados e apresentar linques para os vídeos de cada corrida, todas narradas em inglês, já que não há participação alguma brasileira nas transmissões dos eventos de FIA Formula E (apenas a Fox Sports Brasil. TV paga por assinatura, transmitiu para a sua rede no Brasil).

Então, neste último fim de semana, chegamos, enfim, ao término da primeira temporada e, consequentemente, a sagração do Primeiro Grande Campeão que, como eu já havia revelado (e como Deus é justo) foi o piloto brasileiro Nelson Piquet Jr, que, alias, teve uma bela performance evolutiva, ao longo de toda essa temporada do campeonato.

Outro piloto, também brasileiro, mas que esteve ainda muito mais cotado para chegar a ser campeão dessa primeira temporada, pois, ele havia sido contratado, de antemão, pela própria FIA, para ser o pilotos de testes exclusivo dede o início do projeto do Spark-Renault SRT 01E - o Carro Oficial da Temporada 2014 / 2015 do Campeonato da Fórmula E da FIA.

No entanto, apesar de começar a temporada de modo magistral, e de manter uma média regular, ele, Lucas Di Grassi, o piloto para quem eu torci para qye ganhasse durante toda a temporada, acabou sendo suplantado pelo desempenho ainda superior, não apenas do Piquet Jr. mas, também, do suíço Sébastien Buemi. Veja. a seguir, as classificações dos pilotos (após as 11 etapas ou corridas):


POSNODRIVERTEAM 
R1
 
R2
 
R3
 
R4
 
R5
 
R6
 
R7
 
R8
 
R9
 
R10
 
R11
TOTAL
0199Nelson PiquetNEXTEV TCR
4
DNF
18
15
12 FL
25
15
14 FL
25
10
6
144
029Sébastien Buemie.dams Renault
DNF
15
25
DNF P
0
12
28 P
18
FL
28 P
10
143
0311Lucas di GrassiAudi Sport ABT
25
18
15
DNF
2
15
18
EXC
18
14 FL
8
133
047Jerome D'AmbrosioDragon Racing
8
10
4
0
12
8
10
25
0
18
18
113
052Sam BirdVirgin Racing
15
25
DNF
FL
4
DNF
12
4
DNF
8
27 FL
103
068Nicolas Proste.dams Renault
P
15 P
6
18
25
FL
8
1
4
6
1
88
0727Jean-Eric VergneAndretti--
P
8
P
18
FL
6
15 P
15
0
70
0855Antonio Felix da CostaAmlin Aguri-
4
DNF
25
8
6
2
0
6
--
51
096Loic DuvalDragon Racing----
6
2
DNF
15
0
4
15
42
1021Bruno SennaMahindra Racing
DNF
0
8
10
DNF
10
DNF
0
0
0
12
40
1166Daniel AbtAudi Sport ABT
1
1
FL
0
15
P
DNF
0
10
DNF
0
32
1223Nick HeidfeldVenturi
0
EXC
1
4
0
0
1
10
15
0
DNF
31
133Jaime AlguersuariVirgin Racing
0
FL
10
12
0
4
DNF
0
0
--
30
1430Stéphane SarrazinVenturi
2
0
DNF
1
DNF
1
6
8
0
1
P
22
1527Franck MontagnyAndretti
18
DSQ
---------
18
1628Scott SpeedAndretti----
18
DNF
0
0
---
18
175Karun ChandhokMahindra Racing
10
8
0
DNF
0
0
0
0
0
0
0
18
1888Charles PicNEXTEV TCR
12
---
0
0
4
0
---
16
196Oriol ServiàDragon Racing
6
6
2
2
-------
16
2010Jarno TrulliTrulli
DNF
0
12
DNF
0
DNF
0
P
0
0
DNF
15
2177Salvador DuranAmlin Aguri--
0
EXC
1
DNF
DNF
0
8
0
4
13
2288Oliver TurveyNEXTEV TCR---------
2
2
4
2318Vitantonio LiuzziTrulli----
0
0
DNF
2
0
--
2
2455Takuma SatoAmlin Aguri
DNF FL
----------
2
2528Justin WilsonAndretti--------
1
--
1
2688Ho-Pin TungNEXTEV TCR
0
0
-
0
-------
0
2788Antonio GarciaNEXTEV TCR--
0
-----
0
--
0
2828Simona de SilvestroAndretti---------
0
0
0
2918Michela CerrutiTrulli
0
DNF
0
DNF
-------
0
3028Marco AndrettiAndretti---
0
-------
0
3128Matthew BrabhamAndretti-
0
DNF
--------
0
323Fabio LeimerVirgin Racing---------
0
DNF
0
3318Alex FontanaTrulli---------
DNF
0
0
3477Katherine LeggeAmlin Aguri
0
0
---------
0
3555Sakon YamamotoAmlin Aguri---------
DNF
DNF
0
P = Driver secured pole position for the race earning 3 additional points
FL = Driver secured the fastest lap of the race earning 2 additional points




























































































































DNF = (Do Not Finish) - Piloto não completou a corrida.


Outra bela recordação que eu tempo, e ainda mais antiga no meu passado, é quanto ao meu hobby de infância de montar e colecionar álbuns de cromos (ou de figurinhas). Dos muitos assuntos que eu tive álbuns de figurinhas, um dos que eu mais curtia era o de tema de Fórmula 1, mesmo muitos anos antes de eu ter me tornado um inveterado telespectador e torcedor dessa categoria. Os álbuns de figurinhas de Fórmula 1, em geral, permitiam um retrospecto completo e detalhado de uma certa temporada.

Assim, amigos deste blog, é justamente o resgate daquelas postagens menores feitas, diretamente, no grupo e na página do Facebook associados a este blog que me permitirão, agora mesmo, brindar vocês com um interessante retrospecto dos principais momento ocorrido nessa temporada da FIA Fórmula E (o campeonato do automobilismo esportivo mundial que apresenta os bólidos da nova era dos Veículos Elétricos) e, também, fornecer aqui, num único lugar, os linques para todos os vídeos relativos a todas as corridas da temporada, e com (meus bons, mas, como não poderia deixar de ser, antes de tudo, subjetivos) comentários, corrida a corrida.

Campeonato FIA Formula E - Antecedentes da Temporada 2014 / 2015


Em 21 de agosto de 2014 (três semanas antes da primeira corrida), nós publicamos o seguinte depoimento de Lucas Di Grassi, piloto brasileiro da equipe Audi Sport Abt Formula E Team, sobre o Grande Prêmio de Fórmula E de Pequim (e aproveitamos para desejar muito boa sorte):

"O Circuito de Pequim é uma instalação incrível. Para os pilotos, será um tremendo desafio aprender os limites desta pista rapidamente, bem como para entender as melhores oportunidades de ultrapassagem. Os lugares mais óbvios são, provavelmente, as curvas 1, 2, 6, 19 e 20.

O circuito também vai exigir muita tração e estabilidade na frenagem, enquanto a recuperação de energia nas zonas de frenagem vai ajudar a estabilizar o carro.

Além disso, vai ser a nossa primeira corrida, por isso, todos os motoristas estarão ansiosos para ir! Os boxes também são únicos e requerem alguma prática especial para acertar, também, porque os motoristas têm de trocar de carro em seus boxes."

Esta declaração (técnica, precisa e fundamental sobre a tecnologia dos VEs) foi incluída, retroativamente, como introdução de uma postagem de cunho técnico, sobre Sistema de Frenagem Regenerativa em Veículos Elétricos (Nissan LEAF).

.Mas, nem tudo foi "boa notícia|" enquanto aguardamos ansiosos pela primeira etapa (primeira corrida, em Pequim - China), a galera, nas redes sociais, andava tão ansiosa que já estavam vendendo ingressos (e torcendo) pela terceira Etapa, que aconteceria, posteriormente, em Punta del leste - Uruguai).


Mas, um fato triste foi que, uma das etapas que estava prevista para ser disputada, inicialmente, no Rio de Janeiro (era para ter sido em 15 de novembro de 2014), infelizmente, foi cancelada pela FIA (algo, até hoje, não muito claramente explicado). O calendário foi, então, reajustado, com maior intervalo entre as etapas, e o Rio de Janeiro - Brasil, infelizmente, perdeu a primazia em tal participação.

1ª Etapa - Pequim, China, 13 de Setembro de 2014



As duas coisas que mais marcaram o GP de Pequim de Fórmula E foram, além da brilhante e contundente vitória do piloto brasileiro Lucas Di Grassi (seguido pelo piloto francês Franck Montagny, que obteve nesta prova a sua única pontuação válida ao longo de toda a temporada), também o impressionante acidente entre Nicolas Prost (que havia largado na pole mas terminou a corrida na 12ª posição) e Nick Heidfeld, na última volta da corrida.

Deslocado pela colisão lateral (aparentemente proposital e maldosa), o Spark-Renault SRT 01E de Heidfeld passa por sobre a corcunda da zebra, sendo, então, lançado brevemente no ar, para o alto e avante, batendo numa parede especial de proteção (de amortecimento de choque, graças a Deus), antes de terminar de volta a pista, caindo de cabeça para baixo.


Alguns culparam o "silêncio" dos motores dos carros da Fórmula E pelo acidente. Todavia, o juízes viram (e eu, também) no acidente, uma típica atitude de "Dick Vigarista" perpetrada por parte do Prost, o que lhe acarretou uma "bela" punição de 10 posições para a próxima corrida.

O fato é que, dali em diante, acirraria a briga pelo campeonato, principalmente entre Prost e Lucas Di Grassi, prometendo ainda muito mais emoções. Assista a corrida completa do Grande Prêmio de Pequim no linque abaixo:



2ª Etapa - Putrajaya, Malásia, 22 de Novembro de 2014


O Grande Prêmio da Malásia de Fórmula E foi marcado por três eventos importantes: o primeiro foi o acidente do terceiro piloto brasileiro no circo da Fórmula E, o Bruno Senna. Apesar de Senna ter saído, aparentemente, ileso daquela batida (que, a principio, pareceu bem grave, pelo menos pela visão (e audição) do impacto, ocorrido quando Bruno Senna tentava, na última volta, superar o suíço Sebastien Buemi na briga pelo terceiro lugar na prova).

Eu sei que posso estar errado, mas, eu arrisco a dizer que aquele acidente baixou a moral, e tirou o ânimo, do Bruno Senna, coisas que, pelo que eu mesmo percebi, praticamente não voltaram a se recuperar plenamente, ao longo de todo o restante da temporada (Pense: passar reto numa curva, indo chocar-se quase de frente com um muro, tal como sucedeu com seu falecido tio em Imola, há mais de 20 ano, é um tipo de acidente traumático que ninguém merece).


"O Buemi errou e vi a possibilidade de superá-lo. Infelizmente, passei sobre a sujeira, e o carro escapou. É sempre frustrante quando o potencial do carro não se traduz em resultado. Fiz uma aposta e paguei o preço", disse Bruno Senna, que ainda não havia completado nenhuma corrida na categoria, até ali..

Também na Malásia, começava a escalada de um outro grande piloto na temporada, a do suíço Sébastien Buemi, que subiria ao pódio, pela primeira vez, por conta da terceira colocação obtida naquela corrida (que foi vencida pelo inglês Sam Bird, seguido pelo nosso Lucas Di Grassi), e que por fim, terminaria a temporada em segundo lugar na classificação geral de pilotos. Abaixo, o vídeo da corrida completa do Grande Prêmio da Malásia:



Já, o terceiro evento marcante foi, justamente, um incrível aumento nas apostas sobre o piloto brasileiro Lucas Di Grassi que, após uma bela vitória na China e, agora, um segundo lugar na Malásia, já se tornava, desde cedo, o franco favorito para vencer esta temporada do campeonato de Fórmula E (previsão que, ao final, infelizmente não se concretizou). Na foto ao lado, o piloto inglês Sam Bird, vencedor no Grande Prêmio da Malásia de Fórmula E, dando um belo salto de alegria (Bird saiu na segunda colocação do grid de largada, tomou a liderança do espanhol Oriol Servia, pole position, logo no começo da corrida e praticamente não foi ameaçado pelos concorrentes ao longo das 31 voltas), ladeado por Lucas Di Grassi (com seu macacão estilo "cor-de-fogo"), que foi segundo colocado naquela prova e, atrás do Lucas (de macacão preto), ainda se encaminhando para o momento do pódio, o ótimo piloto suíço Sébastien Buemi que, como um mineirinho que come quieto, iniciava a sua empolgante escalada na temporada.

3ª Etapa - Punta del Este, Uruguai, 13 de Dezembro de 2014


O Grande Premio de Punta del Este, Uruguai, de Fómula E foi marcado bastante pela brilhante primeira vitória do suíço Sébastien Buemi (que, posteriormente, ganharia, também, a 7ª prova da temporada, a corrida de Monte Carlo, Mônaco, localidade onde Ayrton Senna, a seu tempo, havia sido considerado como rei).

Contudo, digno de nota, também, foi o fato surpreendente do recém-chegado Jean-Eric Vergne conseguir segurar a liderança durante grande parte da corrida, sendo ultrapassado por Buemi, apenas nas voltas finais (além do mais, Vergne conseguiu marcar a pole position, durante a qualificação, e ainda conquistou a cobiçada Fanboost1 (cinco segundos explosão de energia extra).

Não obstante a vitória de Buemi e ao brilhantismo transitório de Vergne, Lucas Di Grassi seguia como o maior favorito para vencer na temporada, marcando ali, um terceiro lugar no pódio (enquanto Vergne, aparentem,ente com algum problema não bem explicado, perdia várias posições na última volta).

Todavia, parece que foi, também, naquele momento em Punta del Este, que o futuro campeão, de fato, da temporada da Fórmula E, marcava o início se sua trajetória para a vitória: Nelson Piquet Jr foi quem obteve o segundo lugar naquela prova, conseguindo o seu primeiro (de muitos) lugar no pódio da categoria.

Graças ao crescimento do desempenho do Nelson Piquet Jr. no campeonato, a cena fantástica para brasileiros admirarem, com duas bandeiras brasileiras simultâneas sobre o pódio dos vencedores (como esta cena da foto acima, que ocorreu no pódio do Uruguai), voltaria a se repetir ainda mais três vezes, posteriormente, antes do final da temporada (em Long Beach, EUA, em Monte Carlo, Mônaco e em Moscou, na Russia).

Na verdade, do total de 11 corridas realizadas na temporada da FIA Formula E, a bandeira brasileira só esteve completamente ausente do pódio em duas delas: em Miami, EUA (A 5ª corrida) e, na última prova de todas, a "corrida surpresinha", prova de número 11, que foi realizada em Londres, em exatas 24 horas após a realização da outra corrida que havia sido, originalmente, prevista para Londres.

Penso que o cenário que foi descrito acima (altamente favorável para o nome do Brasil) já deveria ser, por si só, um motivo bom e grande o bastante, para o público brasileiro não ser, como tem sido, praticamente, unanimemente, apático com relação a este campeonato. Veja, no linque abaixo, a corrida completa do Grande Prêmio de Punta del Este de Formula E:


Notas:


  1. Fanboost: Trata-se de uma solução criada especialmente no âmbito da Fórmula E que permite ao público torcedor se envolver mais com o seu piloto de corrida favorito, em abrangência mundial, a fim de animá-los, que implica na realização de uma votação, que pode ser feita através da redes sociais (no caso específico da Formula E, Twiter e Facebook). É preciso que os torcedores (fãs) fiquem atentos, pois a votação termina uma hora antes do início da corrida. Os três pilotos mais populares (de acordo com a votação) são notificado 20 minutos antes de a corrida começar, para que eles possam planejar a melhor forma e momento deles fazerem uso desse poder extra (20% a mais de energia por 5 segundos). Eles podem guardá-lo para uma manobra na última volta que, ou saltar à de todos logo no início da corrida. A Fanboost na Fórmula E começou a vigorar a partir do Grande Prêmio da Malásia (a 2ª corrida da temporada), adicionando uma dose extra de estratégia para o campeonato da FIA Formula E, enquanto exige dos pilotos uma boa melhoria de suas comunicações sociais.

Veja também:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este trabalho de André Luis Lenz, foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.